sexta-feira , 23 agosto 2019
Ínicio / Revezamento / ASRD / 13ª Maratona de revezamento ASRD

13ª Maratona de revezamento ASRD

A corrida que me transformou em um corredor está completando 13 anos.

Em 2004, após eu participar pela primeira vez de uma corrida, a 12ª maratona de revezamento Pão de Açúcar com um equipe sensacional e mega esforçada de 8 nada corredores mas que conseguiram completar o percurso dentro do tempo máximo estipulado, recebi um panfleto onde várias coisas me chamaram a atenção e despertou o desejo e a vontade de participar de mais uma corrida, de mais uma maratona, de mais um revezamento com amigos.

O que me chamou atenção no panfleto foi:

  1. Ter a possibilidade de entrar E CORRER na pista;
  2. Conhecer o autódromo pelo lado de dentro, não só nas arquibancadas;
  3. Entrar nos boxes;
  4. Correr no S do Senna;
  5. Correr na reta oposta;
  6. Correr na curva do lago;
  7. Viver por alguns instantes, no meu caso, uma eternidade, UMA volta no percurso onde Ayrton Senna venceu com seu F1,na minha adolescência por duas vezes(1991 e 1993). É, já fui adolescente, e tive o prazer de acompanhar e gostar muito de F1.

Como nunca iriam me deixar entrar para andar de carro ou de moto na pista, CORRER com minhas pernas e pés pareceu uma ótima oportunidade de realizar esse sonho.

Uma outra realidade no distante ano de 2004 é que a Fórmula 1  já não tinha tanta emoção, desde o fatídico dia 1° de maio de 1994 que a maior categoria do automobilismo tinha perdido o brilho. Passados 10 anos da morte do Senna e nada de interessante acontecia, as manhãs de domingo na frente da televisão já não existiam mais, e dormir era a opção mais interessante e sensata para esse que vos escreve.

Naquele momento, só a força do nome do Ayrton, a chance de conhecer o autódromo e a possibilidade de apoiar o Instituto Ayrton Senna era capaz de me motivar a acordar cedo em um domingo para CORRER.

Foi então que tentei montar um octeto para o dia 05/12/2004.

Metade da equipe que tinha corrido comigo na primeira corrida foi categórica, CORRER NUNCA MAIS.

Sendo assim, eu precisava arrumar mais 4 malucos para encarar o desafio.

Consegui montar a equipe e esse dia ficou marcado para sempre na minha memória. Foi tudo muito legal, desafiante e a emoção de correr no autódromo, conhecer mais da vida do Ayrton na exposição, ter uma camiseta(de algodão e que tenho até hoje), uma medalha e completar a maratona com os amigos foi muito gratificante.

Acredito que essa prova foi o meu divisor de águas, foi onde eu passei a gostar de correr, onde eu acreditei que era possível correr maiores distâncias e quando eu resolvi buscar mais informações sobre o universo das corridas.

Em 2004, a super novidade era a máquina fotográfica digital com disquete(crianças, procurem no google o que pode ter sido isso), ainda não tinha telefone com câmera. Os celulares eram caríssimos e mal funcionavam, achar as pessoas era algo complicado, mas nossa equipe deu um show e completamos muito melhor que na prova plana de estreia. Sucesso, comemoração total e o bichinho da corrida picou. Pelo jeito, para todo o sempre.

Só sei que essa prova para mim passou a ser um talismã, um xodó, e fiz questão de participar TODOS os anos, e até no ano que não consegui me inscrever porque teria outro compromisso na data, o compromisso foi alterado e consegui um número de peito para correr no autódromo.

Nunca montei equipe forte para pensar em disputar uma vaga no pódio, mas já fui chamado no pódio e recebi das mãos da Viviane Senna prêmios conquistados em concurso cultural na fã page da prova.

No ano passado, na 12ª edição a prova foi rodeada por problemas, alterações de horários e percurso. Para quem participou pela primeira vez a prova foi ótima e linda como o autódromo e o clima de um revezamento indica.

Para os veteranos como eu, a prova deixou muito a desejar e o festival de reclamações começaram antes mesmo da buzina de largada, fato que tinha colocado em dúvida minha participação na 13ª edição(logo a 13ª).

Em contato com a organização da prova, fui informado que os problemas do ano passado ficarão para o passado e que a 13ª edição volta a ter o padrão de excelência que sempre teve, uma prova que o super campeão Ayrton Senna adoraria correr.

Enfim, chegou a hora, a corrida será no próximo domingo, com largada prevista para às 07:00 e com as trocas dentro dos boxes. As equipes poderão assistir e torcer para os seus integrantes no padoc, e pela foto, o kit é sensacional.

No Kit de participação, além da linda camiseta, da sacolinha e da viseira terá ainda uma pulseira que ativada com o celular tem uma mensagem do Senna.

Só sei que quem ainda não fez a inscrição está perdendo uma ótima chance de participar de uma corrida espetacular, de dividir momentos com amigos em um local empolgante com a energia de um campeão e ainda levar para casa recordações incríveis.

A entrega dos kits começa na quinta-feira, na Rua dos Pinheiros na Drastosa Pinheiros, pertinho do metrô Faria Lima, dia 01 e 02/09 das 10:00 às 20:00 e mp sábado 03/09 das 10:00 as 16:00. 

As inscrições, se ainda tiver vaga, tem previsão de encerramento nessa quarta-feira e podem ser feitas no site www.ayrtonsennaracingday.com.br

E o SempreCorrendo conseguiu um desconto para seus amigos, leitores e seguidores.

SEMPRE CORRENDOBasta digitar o CUPOM DE DESCONTO com letra maiúsculas SEMPRECORRENDO#ASRD

Já montou sua equipe?

Nos vemos domingo no autódromo?

Vou tentar resgatar fotos de todas os anos que participei da prova.

Colucci

BlogeRun

SempreCorrendo.com.br

Sobre Antonio Colucci

Um corredor que escreve, 'RunPorter' e Pai do Diego. Correndo desde 2004; Escrevendo desde 2007; Pai do Diego desde 2008; Maratonista desde 2009.

Veja também

23ª Meia Maratona Internacional do Rio 2019

Chegou a hora da 23ª Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro. CONFIRA e Nos …

Concorra inscrições de provas, camisetas e brindes.

Cadastre-se na nossa newsletter e saiba de tudo .

Obrigado! Foi enviado um email de confirmação para você.